15/08/2017 14:29

ACUSADOS DE AGRESSÃO

Vereador e assessor pagam R$ 3,4 mil e juiz extingue punição

MIDIA NEWS
Vereador e assessor pagam R$ 3,4 mil e juiz extingue punição

O juiz Mário Kono de Oliveira, do Juizado Criminal de Cuiabá, extinguiu a punibilidade e arquivou a queixa contra o vereador Marcrean dos Santos e seu assessor Elton Araújo, acusados de agredir o presidente da Associação de Moradores do Bairro Renascer, José Carlos da Silva, em agosto de 2015

A decisão foi dada no final de junho e publicada na última semana.

O arquivamento ocorreu após o vereador e o assessor cumprirem a proposta de transação penal firmada com o Ministério Público Estadual (MPE), em que ambos se comprometeram a pagar, cada um, cinco parcelas de R$ 352 - um total de R$ 3,4 mil - para a Santa Casa de Misericórdia de Cuiabá.

“Da análise detida dos autos, verifico que o autor dos fatos, já devidamente qualificado nos autos, cumpriu integralmente com as condições impostas na transação penal ofertada pelo Parquet e devidamente aceita por ele. Assim sendo, com fulcro no art. 61 do Código de Processo Penal, declaro extinta a punibilidade do autor dos fatos”, decidiu o juiz.

O caso

Em um boletim de ocorrência, registrado na Polícia Civil, o presidente de Bairro Renascer, José Carlos da Silval, relatou que a confusão começou quando servidores da Prefeitura, que estavam realizando a limpeza do bairro, jogavam aterro em uma margem do Córrego do Barbado, do lado do Bairro Pedregal, onde existe uma erosão.

Nesse momento, segundo Silva, o vereador Marcrean Santos e o assessor dele, Elton Araújo, apareceram no local e começaram a tirar fotos.

“O maquinista me ligou e disse que tinha algo de errado porque o vereador e o Elton estavam tirando fotos e falando que eu que tinha mandado jogar entulho no córrego”, contou.

Após isso, conforme o presidente, ele foi até o local e questionou o vereador se tinha algo errado.

“Ele começou e a me acusar e eu expliquei para ele que, no local onde estavam jogando o aterro, tem uma erosão causada pelas chuvas e que o aterro iria somente tapar o buraco. Disse também que aquilo não tinha nada a ver comigo e sim com a Prefeitura”, afirmou.

Segundo o presidente da associação, o clima ficou tenso quando ele questionou sobre um terreno de propriedade do vereador.

"Ele construiu parte do muro dele sobre o terreno de outro vizinho, o seu Jair. Então, eu disse que seria melhor ele resolver isso do que ficar discutindo. Foi quando ele partiu pra cima de mim e me deu um soco no olho esquerdo. Daí, o Elton me empurrou e começou a me agredir e quando ele estava me agredindo o vereador veio e me deu outro soco que pegou na minha orelha”, afirmou.

Conforme Silva, após as agressões, o vereador e o funcionário Elton fugiram do local por conta de algumas pessoas que se aproximaram para verem a confusão.

 


Compartilhe essa notícia