17/07/2017 16:21

ILHA DA BANANA

Vizinho diz que casa está comprometida por demolição

MIDIA NEWS
Vizinho diz que casa está comprometida por demolição

Lutando desde o início das desapropriações na Ilha da Banana para continuar morando em sua casa, o economista Benedito Addor, de 64 anos, que vive há mais de 50 no local, afirmou que, como temia, a casa começou a ser atingida pela demolição, que teve início no dia 11 de junho.

A demolição é uma fase do projeto de implantação de um trecho do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) no local.

Benedito disse ao MidiaNews que por causa das marretadas para demolir as casas vizinhas, germinadas às suas, as paredes de fora de seu imóvel estão com várias rachaduras (veja fotos abaixo).

Além disso, uma árvore derrubada caiu sobre a casa, quebrando as telhas.

“A árvore despencou aqui nos fundos, ficou aqueles buracos. Isso é do corredor até o final da casa, é a área inteira. Aí eles falaram que iam conseguir telhas pra arrumar, mas colocaram uma telha de zinco como quebra-galho. Mas o zinco tem furos que, se chover, vai cair água lá na casa”, disse o economista.

Reprodução

Telha de zinco furada que, segundo senhor Benedito, foi colocada para tampar o buraco provocado pela queda de uma árvore

Ele afirmou que a casa começou a ficar comprometida desde que o primeiro imóvel germinado ao seu foi demolido, no dia 20 de junho.

“Quando bate de marreta em uma casa, como é germinada, a outra vai sentir, porque ficou desprotegida. Uma casa segurava a outra. No momento que a casa ao lado foi retirada, a parede da minha ficou fragilizada”, afirmou.

O economista conta que durante todo esse tempo tem pedido que a Defesa Civil acompanhe a demolição, porém não tem conseguido resposta.

“Procurei a Defesa Civil do Estado, que afirmou que não era com eles. Aí procurei a Defesa Civil municipal, que falou que não era com a Prefeitura, era com o Estado. Ficou aquele ping-pong”, disse.

Ele contou estar com medo de como será caso chova, e que agora não adiantará mais o acompanhamento da Defesa Civil, visto que o imóvel já está comprometido.

“Teria que rebocar toda parte externa, dos dois lados, que ficou com fissura. Fora o telhado”.

Ainda na Justiça

Apenas quatro proprietários ainda brigam na justiça pela posse das casas. Porém, segundo Benedito, seis imóveis continuam habitados.


Compartilhe essa notícia